Author Topic: nop  (Read 28 times)

мαsŧєr

  • Administrator
  • Newbie
  • *****
  • Posts: 11
  • Bark at the Moon
    • View Profile
Re: nop
« on: December 15, 2017, 01:13:29 pm »
MÁGICA OU COMBINAÇÕES DOS ESPÍRITOS, OS QUAIS SE REQUEREM TENDO-SE UMA CAVEIRA HUMANA ALUMIADA COM VELAS DE SEBO, SENDO PARA FAZER MAL A QUALQUER PESSOA

Tome-se uma caveira humana, coloque-se sôbre uma mesa na qual se deverá ter acesas três velas de puro sebo, e tenha-se um sinal da criatura, para quem se está a preparar bruxaria. Êste sinal coloque-se debaixo do pé esquerdo e ponha-se o pensamento no indivíduo a quem se vai enfeitiçar. Faça-se, depois, a conjuração que se segue:

“Eu, te conjuro, espírito invisível; da parte de Ulzulino, espírito do gênio mau, para que sem apelação me obedeça, como se eu fôsse o próprio Adonais ou Ulzulino, senhor de todos os gênios maléficos; e para quem apareças sem demora com quatro legiões de espíritos turbulentos e de má índole. E tu, espírito que nestes restos mortais andastes incarnado, serás o guia de todos os espíritos maléficos, para guiares para o lugar onde eu fôr depositar uma porção do teu envoltório corporal, já livre da matéria, a qual foi devorada pela terra do sepulcro. Portanto, eu te conjuro para que dentro em 45 horas, 20 minutos e 4 segundos, me faças tudo quanto eu determinar que faças (aí diz-se o nome da pessoa que se pretende enfeitiçar).”

No fim desta conjuração, quase sempre há grandes ruídos pela casa, os móveis dão grandes estalos, os olhos parecem ferir-se com grandes relâmpagos, que saem de tôda a parte, seguidos de grande trovões, os quais fazem cobrir-se tôda a terra de espêssas trevas em meio de um vento furioso; ouvem-se gritos espantosos, parece que se abala a terra, finalmente sente-se um terrível terremoto, semelhante ao que há de haver infalivelmente no dia de juízo. Porém, haja coragem e nada se tema, que mal nenhum nos pode acontecer.

Então se deve tomar logo o sinal, que deve ter sido conservado debaixo do pé esquerdo, e raspar-se do lado esquerdo da caveira, uma pequena porção de osso (basta, pouco mais ou menos meia grama), vá-se lançar à porta principal da pessoa que se quer enfeitiçar e volta-se para casa sem olhar para trás.